Ciência
Saiba o horário do eclipse com 'superlua' nos Estados brasileiros
"Superlua de sangue", momento de maior proximidade entre o satélite e a Terra, poderá ser vista às 2h41 (horário de Brasília)

Publicado em 20/01/2019 16:55

Darrin Zammit Lupi/Reuters - 31.01.2018

O eclipse total da lua vai ocorrer na madrugada deste domingo (20) para segunda-feira (21) e poderá ser visto em todo o Brasil.

Quem acompanhar o eclipse também poderá observar a "Superlua", que é o nome dado ao momento em que a lua, que é um satélite natural, está em máxima aproximação com a Terra.

O eclipse estará visível a partir das 0h37 (horário de Brasília), quando a lua ficará um pouco menos brilhante (eclipse penumbral).

 

Às 1h34, a lua começa a ficar com um pontinho escuro e irá escurecer cada vez mais. O eclipse total acontecerá às 2h41. 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Neste momento, a lua ficará avermelhada e, por isso, é chamada de "Lua de Sangue". 

O eclipse total deve ter duração de 1h02, ou seja, os brasileiros podem ver o fenômeno até às 3h43.

Depois disso, a lua volta a ficar mais iluminada até o final do eclipse, às 4h51. 

Segundo o Observatório Nacional do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, esses horários valem para as cidades que seguem o horário de Brasília. Os brasileiros de outras regiões devem considerar o fuso causado pelo horário de verão para saber quando conseguirão ver a "Superlua".

 

Veja os horários nos estados brasileiros:

Horário de Brasília (com horário de verão: fuso -2 horas)Goiás, Brasília, Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Ilhas Arquipélago de São Pedro e São Paulo, Atol das Rocas, Fernando de Noronha, Martin Vaz e Trindade

Reprodução/ Observatório Nacional

Fuso de -3 horas: Pará, Amapá, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia

Reprodução/ Observatório Nacional

Fuso -4 horas: Amazonas, Roraima e Rondônia

Reprodução/ Observatório Nacional

Fuso -5 horas: Amazonas (extremo oeste) e Acre

Reprodução/ Observatório Nacional

O Observatório Nacional explica que, "quando toda a Lua está mergulhada na sombra, nós vemos a Lua sem receber luz direta do Sol, mas alguma luz do Sol atinge a superfície da lua por meio da atmosfera da Terra e algumas faixas de frequência da luz solar são filtradas, exatamente como acontece nos crepúsculos matutino e vespertino que estamos acostumados a ver antes do nascer do Sol e após o pôr do Sol".

O próximo eclipse total da Lua visível no Brasil será em 2022.

Por R7.com


APP do SensocriticoPB
Google Play Store Apple App Store