Brasil
País tem de agir para evitar indústria de hackers, diz ministro
Fernando Azevedo e Silva concedeu entrevista à TV Brasil

Publicado em 13/06/2019 19:10 - Atualizado em 13/06/2019 19:10

Divulgação/TV Brasil

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, disse que o ataque de hackerspara vazar supostas mensagens de integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato foi um ato criminoso e manifestou apoio ao ministro da Justiça e Segurança, Sergio Moro. Fernando Azevedo e Silva concedeu entrevista exclusiva à jornalista Roseann Kennedy, da TV Brasil, e cobrou investigação rápida sobre o caso para evitar que se crie um comércio criminoso de hackeamento no Brasil.

“Eu não tenho dúvida que isso aí é um crime, e esse crime não pode compensar. Porque, senão, vai ficar uma indústria do hacker em celulares, computadores. Vai ficar um comércio disso aí. Isso aí é um crime e deve ser tratado como tal. E rápido”, exigiu o ministro da Defesa.

Sobre o teor das supostas conversas de Sergio Moro, que foi juiz titular da Lava Jato na 13ª Vara Federal em Curitiba, com o coordenador da força-tarefa da operação, procurador Deltan Dallagnol, Fernando Azevedo e Silva disse não ver nada de mais e ressaltou a confiança do governo no ministro.

“O ministro Moro goza de toda a confiança não só dos ministros e do presidente. É um profissional respeitado, inclusive pela população brasileira. A troca de mensagens – que poderia ir no gabinete, hoje em dia se faz por mensagem –  foi de instituições do Judiciário, fazendo parte de uma força-tarefa. Eu não vejo nada de mais, a não ser um crime violento, em relação à privacidade da pessoa, da autoridade”, reforçou.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Fernando Azevedo e Silva observou o tanto que os celulares hoje têm informações sovre cada pessoa. “O nosso aparelho celular é um componente do seu corpo, hoje em dia. Você tem ali suas expectativas, suas emoções, os sentimentos, as suas mensagens. Você não pode ser invadido. Se o meu celular fosse violentado dessa forma, [isso] é uma violência, um crime”, concluiu.

O ministro da Defesa ainda falou sobre temas como armamento, segurança pública, Orçamento federal e reforma da Previdência. Ele detalhou avanços e programas desenvolvidos no Ministério da Defesa, que completou 20 anos esta semana. A íntegra da entrevista vai ao ar hoje (13), às 21h30, no programa Impressões, na TV Brasil.

Por Agência Brasil


APP do SensocriticoPB
Google Play Store Apple App Store